Prefeitura de Vitória

Voltar
MenuMenu

População de Rua

Aqui você encontra informações sobre os projetos que atendem a população de rua em Vitória. Ações conjuntas em diversas áreas formam o programa Onde Anda Você, que em um ano de atuação já reduziu a população de rua da capital em 66%.

Prefeitura promove reinserção social de quem mora nas ruas

O JavaScript ou o Flash não estão ativados. Logo, não será possível exibir o vídeo.

Lançado em 2013, o Programa "Onde Anda Você?" engloba projetos, nas áreas de Assistência Social, Saúde, Habitação, Educação, Trabalho e Geração de Renda, Esportes, Lazer e Cultura e integram um amplo trabalho de reinserção social de pessoas em situação de rua. 

O trabalho é dividido em quatro etapas: prevenção, acolhimento, encaminhamento, integração e inserção social. A alternativa habitacional é oferecida por meio do Projeto Moradias Alternativas, desenvolvido pela Secretaria de Habitação (Sehab). 
 

Conheça detalhes no vídeo ao lado

Acolhimento

Um dos projetos do programa é o Serviço Especializado em Abordagem Social, que possui equipes compostas por assistentes sociais, psicólogos e educadores sociais que buscam identificar as demandas dos moradores de rua e colocá-los em contato com serviços que possibilitem sua reinserção familiar e comunitária.

No Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua (Centro-POP), pessoas em situação de rua recebem atendimento psicossocial e participam de oficinas. A capital conta ainda com outras cinco unidades de acolhimento, que prestam atendimento psicossocial e providenciam alimentação e itens de higiene adequados.

A partir das demandas identificadas, as equipes ofertam os serviços. Se houver problemas de saúde ou dependência química, por exemplo, a pessoa é encaminhada aos serviços públicos de saúde como os Pronto-Atendimentos e Unidades de Saúde

O Consultório na Rua, que realiza atendimento médico a pessoas em situação de rua, também foi ampliado, de uma para quatro equipes compostas porEnfermeiro, Técnico em Enfermagem, Técnico em Saúde Bucal, Psicólogo e Assistente Social. Os profissionais foram treinados para o programa, que começa pela delicada abordagem e criação de um vínculo de confiança, passando pela persistência na oferta do serviço, até o início de um tratamento efetivo. 

Prevenção

O município oferece uma série de serviços, desenvolvidos em paralelo ao programa “Onde anda você?”, que por meio de medidas preventivas buscam impedir que crianças e adolescentes passem a viver nas ruas. Uma delas é o projeto Caminhando Juntos (Cajun), que desenvolve o potencial de meninos e meninas de seis a 15 anos, promovendo a autoestima e fortalecendo o vínculo com suas famílias, a escola e a comunidade, a partir de atividades como capoeira, música, dança, coral, informática, percussão e circo.

O Centro de Referência da Juventude (CRJ) tem os jovens como público-alvo e oferece lazer, cultura, esporte, arte, música, atendimento psicossocial, discussão e formulação de políticas públicas. Igualmente voltado para cidadãos de até 29 anos, o Núcleo Afro Odomodê realiza rodas de conversa, exibição de filmes e oficinas gratuitas de percussão, penteado afro, forró, grafite, canto, moda e break, voltados para o resgate e a valorização da cultura afro. 

Já o ProJovem Adolescente, desenvolvido em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), destina-se a beneficiários do Programa Bolsa Família que tenham entre 15 e 17 anos. O objetivo é complementar a proteção social às famílias, criando meios de garantir a convivência familiar e comunitária e condições de inserções e permanência na escola. Entre as atividades oferecidas estão oficinas de malabares, grafite, informática, break, hip hop, cinema, funk, skate, esporte e jornal. 

Enquanto isso, o fortalecimento de vínculos comunitários e familiares é o principal objetivo do trabalho desenvolvido nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras). Para isso, os Cras realizam oficinas em que os pais ou responsáveis por crianças e adolescentes de cada região podem trocar experiências e ouvir a opinião de profissionais sobre o desenvolvimento e as relações de seus filhos.

No projeto Escolarização para Pessoa em Situação de Rua, a modalidade Educação para Jovens e Adultos (EJA) dá oportunidade para quem tem mais de 15 anos e deseja retomar os estudos. Outra iniciativa é o projeto Moradias Alternativas, que possibilita o acesso à moradia digna e segura para pessoas e/ou famílias em situação de rua, mediante a concessão de subsídio de até R$ 724,00 que viabilize a locação de imóvel e/ou de até 39.000,00 para carta de crédito para aquisição da casa própria.

Saiba mais

O nome “Onde Anda Você?” foi sugerido pelos integrantes do projeto Papo Reto, implantado pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de quebrar barreiras entre alunos das 8º e 9 anos do ensino fundamental e do 1º ano do ensino médio da Grande São Pedro, as Polícia Militar e Civil e a Guarda Municipal. Com a consolidação dessas ações e a revitalização dos espaços urbanos da capital, a atual administração de Vitória promove a reorganização de áreas públicas e a reinserção de moradores de rua no dia a dia da cidade.

Última atualização em 06/04/2015

Voltar para o topo

Serviço de abordagem para população de rua

Carlos Antolini

Três mendigos embaixo de viaduto sendo abordado por assistente social

Um dos projetos que integra esse Programa é o Serviço Especializado em Abordagem Social, que monitora diariamente as ruas de Vitória, identificando e abordando adultos, crianças e adolescentes em situação de rua. Por meio do serviço, essas pessoas são encaminhadas para os espaços de acolhida e outros serviços da rede de assistência social da Prefeitura, onde recebem atendimento psicossocial, alimentação, participam de palestras sócioeducativas e oficinas.

São diversos os grupos de pessoas que vivenciam o cotidiano das ruas em Vitória: desempregados, egressos dos sistemas penitenciários e psiquiátricos, migrantes e os conhecidos "trecheiros" (pessoas que transitam de uma cidade a outra a pé, pedindo carona ou se deslocando com passagem de viagem concedida por entidades assistenciais).

Em conformidade com o artigo 23º da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), que prevê a criação de programas de amparo às pessoas em situação de rua, os serviços oferecidos a esse público visam à construção de novas relações sociais.

Como acionar

A população pode acionar as equipes de Abordagem de Rua, que funciona de segunda a domingo, inclusive feriados, das 8 horas até meia-noite. Para isso, basta ligar para o Fala Vitória 156.

Última atualização em 07/08/2014

Voltar para o topo

Serviço de abordagem para criança e adolescente em situação de rua

Carlos Antolini

Abordagem de rua

O Serviço de Abordagem Social atende a crianças e adolescentes em situação de rua em Vitória. Meninos e meninas que são encontrados nas ruas pedindo esmolas ou trabalhando, recebem acompanhamento psicossocial juntamente com suas famílias.

As crianças e adolescentes abordadas são encaminhadas para os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas). No local, eles são acolhidos, recebem atendimento psicossocial e participam de oficinas socioeducativas. As famílias dessas crianças também são acompanhadas pelos Creas.

Todo atendimento realizado é voltado para que a criança ou o adolescente retorne para a casa e não permaneça nas ruas.

Como acionar

A população pode acionar as equipes de Abordagem de Rua, que funciona de segunda a domingo, inclusive feriados, das 8 horas até meia-noite. Para isso, basta ligar para o Fala Vitória 156.

Última atualização em 07/08/2014

Voltar para o topo

Hospedagem noturna para adultos em situação de rua

A Hospedagem Noturna é um espaço de acolhida noturna para população adulta em situação de rua. Lá, adultos que vivem nas ruas recebem alimentação, higiene e abrigo provisório, de maneira adequada e digna. Os encaminhamentos para o espaço são feitos por meio do Centro de Referência Especializado da Assistência Social para População de Rua (Centro Pop).

Onde funciona

Rua José Marcelino, 175, Cidade Alta (atrás da Catedral)
Telefone: 156

Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 18 às 7 horas

Última atualização em 22/06/2017

Voltar para o topo

Escola de jovens e adultos recebe alunos em situação de rua

Pessoas em situação de rua que estão fora da escola têm a oportunidade de iniciar ou retomar os estudos. As aulas são realizadas no Centro de Referência Especializado de Assistência Social para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop). A iniciativa é da Escola Municipal de Ensino Fundamental de Educação de Jovens e Adultos (EJA), mantida pela Secretaria de Educação de Vitória. A escola tem o objetivo de levar a educação onde os usuários podem estudar.

Onde fica

Território Continental
Rua José de Carvalho, nº374. Ilha de Santa Maria - Ver no mapa
Telefones: (27)3381-3414, 3132-1719 e 3223-2331

Território Centro
Avenida Aristides Freire, nº36. Centro - Ver no mapa
Telefones: (27)3132-8065 e 3132-8073

Território Maruípe
Rua Dom Pedro I, nº43. Maruipe - Ver no mapa
Telefones: (27)3233-3420 e 3235-2880

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 7 às 18 horas

Última atualização em 21/12/2016

Voltar para o topo

Centro de referência acolhe adultos em situação de rua

De acordo com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS), a proteção social especial deve atender por meio de serviços de abrigamento pessoas que, por vários motivos, não contam mais com proteção de suas famílias. Em Vitória, são seis espaços de acolhida.

Um deles é o Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua (Centro-Pop), que funciona como porta de entrada para adultos em situação de rua da rede da proteção social especial, tendo como finalidade principal a acolhida imediata deste público.

No espaço, pessoas em situação de rua são acolhidas, recebem kit de higiene pessoal, podem tomar banho e se alimentar. Os usuários também têm atendimento psicossocial e participam de oficinas de socioeducativas. As atividades são voltadas para a reinserção familiar dessas pessoas.

Com capacidade para atender 100 pessoas por dia, o Centro-Pop também recebe doações de roupas, cobertores, móveis, entre outras.

Os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) atendem pessoas que utilizam as ruas como espaço de moradia e sobrevivência. O serviço prestado a essas pessoas tem a finalidade de assegurar atendimento e atividades direcionadas para o desenvolvimento de sociabilidades, tendo em vista o fortalecimento de vínculos interpessoais e familiares, que proporcionem a construção de novos projetos de vida.

Nos Creas, essas pessoas recebem orientação individual e grupal, são encaminhadas a outros serviços socioassistenciais e as demais políticas públicas que possam contribuir com a construção da autonomia, a inserção social e a proteção às situações de violência.

Entre os objetivos, estão possibilitar condições de acolhida na rede socioassistencial; contribuir para a construção de novos projetos de vida, respeitando as escolhas dos usuários e as especificidades do atendimento; colaborar para restaurar e preservar a integridade e a autonomia da população em situação de rua; e promover ações para a reinserção familiar e comunitária.

Onde fica

Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua

Avenida Dário Lourenço de Souza, s/n, Mário Cypreste - Ver no mapa
Telefone: (27) 3132-7053

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 7 às 18 horas

Última atualização em 22/02/2017

Voltar para o topo

Abrigo oferece moradia provisória para adultos em situação de rua

O Abrigo para Pessoas em Situação de Rua é um espaço de moradia provisória para adultos em situação de rua que são encaminhados pela abordagem e Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua. Além do acolhimento, o principal objetivo do abrigo é a ressocialização familiar e comunitária dos usuários, resgatando sua autonomia como cidadão.

Os usuários recebem atendimento psicossocial, participam de oficinas de alfabetização e artísticas, de palestras educativas e são encaminhados para emissão de documentos e tratamentos de saúde. O espaço tem capacidade para atender 40 pessoas.

O abrigo é um dos seis espaços de acolhida, em Vitória, para a população em situação de rua e integra a rede de proteção social especial que, de acordo com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS), estabelece serviços de abrigamento a pessoas que, por vários motivos, não contam mais com proteção de suas famílias.

Onde fica

Rua Manoel Vivácqua, 295, Jabour - Ver no mapa
Telefone: (27) 3317-2171

Última atualização em 20/12/2016

Voltar para o topo

Casa Lar atende a pessoas em situação de rua com transtorno mental

A Casa Lar é um espaço de acolhida às pessoas em situação de rua com transtorno mental e com poucas possibilidades de reinserção familiar e social. Funciona em regime de residência com atenção integral aos usuários, incluindo alimentação, higiene, medicação, atendimento de enfermagem e atividades socioeducativas.

As atividades promovidas no local têm a finalidade de promover a convivência comunitária e familiar das pessoas atendidas. Vitória possui duas unidades com capacidade para acolher 15 pessoas cada.

A Casa Lar integra a rede de proteção social especial que, de acordo com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS), estabelece serviços de abrigamento a pessoas que, por vários motivos, não contam mais com proteção de suas famílias.

Endereços

Casa Lar I
Endereço: Avenida Paulino Muller, 402, Jucutuquara
Telefone: (27) 3222-5921
Casa Lar II
Endereço: Rua Julia Lacourt Penna, 866, Jardim Camburi
Telefone: (27) 3317-4632

Última atualização em 28/07/2014

Voltar para o topo

Migrantes recebem atendimento social em albergue noturno

O Albergue Noturno para Migrantes Bezerra de Menezes oferece atendimento social a pessoas a partir de 18 anos e que estejam de passagem por Vitória.

O albergamento é provisório. O migrante fica no espaço até que seja possibilitada sua inserção no mercado de trabalho ou seu retorno ao local de origem, com a viabilização de passagem por meio do albergue. Enquanto ficam no espaço, os usuários participam de atividades socioeducativas, palestras sobre o processo da migração e cuidados com a saúde.

O albergue tem capacidade para acolher até 40 migrantes, que são encaminhados pelo Serviço de Abordagem de Rua ou Centro de Atendimento Dia (CAD). Crianças e adolescentes são atendidas somente com documentos e acompanhadas pelos responsáveis.

O Albergue Noturno para Migrantes é um dos seis espaços de acolhida, em Vitória, para a população em situação de rua. Integra a rede de proteção social especial que, de acordo com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS), estabelece serviços de abrigamento a pessoas que, por vários motivos, não contam mais com proteção de suas famílias.

Onde fica o Albergue Noturno para Migrantes

Avenida Dário Lourenço de Souza, s/n, Mário Cypreste - Ver no mapa
Telefone: 156

Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 7 às 19 horas. Aberto ao público das 12 às 19 horas.

Última atualização em 22/06/2017

Voltar para o topo

Casa República estimula inserção social de ex-moradores de rua

Diego Alves

Casa República - Acolhida para moradores de rua

Desde dezembro de 2013, a Prefeitura de Vitória mantém a Casa República, um espaço idealizado para acolher ex-moradores de rua, temporariamente. O objetivo é dar suporte na transição para o estilo de vida formal.

Os moradores do espaço, montado com toda a estrutura de uma casa comum, retomam a convivência com a rotina doméstica, procuram emprego e dividem as tarefas domésticas. Preparo de alimentos, limpeza, arrumação e organização: tudo é feito de forma coletiva.

O processo de transição é um período complexo para quem viveu muito tempo em situação de rua, por isso a acolhida e o acompanhamento adequados são fundamentais, para estimular a autonomia e a perspectiva por um futuro melhor.

A Casa República não é um abrigo definitivo para pessoas em situação de rua. Seus moradores já deram os primeiros passos para desenvolver sua autonomia financeira, mas ainda precisam de assistência.  

A seleção dos moradores é feita por profissionais da  Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) entre aqueles que já estejam em abrigos de Vitória e apresentem a necessidade novos passos de reinserção social, distanciando-se cada vez mais da situação de rua.

Última atualização em 28/07/2014

Voltar para o topo

Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua

Os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) atendem pessoas que utilizam as ruas como espaço de moradia e sobrevivência. O serviço prestado a essas pessoas tem a finalidade de assegurar atendimento e atividades direcionadas para o desenvolvimento de sociabilidades, tendo em vista o fortalecimento de vínculos interpessoais e familiares, que proporcionem a construção de novos projetos de vida.

Nos Creas, essas pessoas recebem orientação individual e grupal, são encaminhadas a outros serviços socioassistenciais e as demais políticas públicas que possam contribuir com a construção da autonomia, a inserção social e a proteção às situações de violência.

Entre os objetivos, estão possibilitar condições de acolhida na rede socioassistencial; contribuir para a construção de novos projetos de vida, respeitando as escolhas dos usuários e as especificidades do atendimento; colaborar para restaurar e preservar a integridade e a autonomia da população em situação de rua; e promover ações para a reinserção familiar e comunitária.

Última atualização em 07/08/2014

Voltar para o topo

Consultório na Rua

 Consultório na Rua realiza um trabalho de atendimento aos cuidados básicos de saúde específico para os moradores de rua, muitos deles usuários de crack e outras drogas. O atendimento é feito em seus locais de permanência pelas equipes itinerantes.

Também são realizadas ações de educação em saúde, através de oficinas. Quando necessário, essas pessoas em situação de rua são encaminhadas para outros serviços da rede municipal, como atendimento nas unidades de saúde, no Centro Municipal de Especialidades (CME), no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas (CAPSAD) ou em qualquer outro serviço de referência.

São enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, motoristas e auxiliares de enfermagem que foram capacitados para atuar no programa, que consiste em um trabalho muito complexo, a começar pela delicada abordagem e pela criação de um vínculo de confiança com essas pessoas, passando pela persistência na oferta do serviço até o início de um tratamento efetivo.

O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8 horas à meia-noite, e aos sábados, domingos e feriados, das 8 às 20 horas.

Última atualização em 29/09/2017

Voltar para o topo

Projeto Moradias Alternativas ajuda a superar a situação de rua

André Sobral

EX-MORADOR DE RUA QUE ESTÁ TRABALHANDO

O projeto Moradias Alternativas é uma das vertentes do programa "Onde anda você?", implantado pela Prefeitura de Vitória. O acompanhamento envolve uma equipe multidisciplinar que realiza estudos de casos e observa se os beneficiários estão buscando oficinas, aderindo às ofertas da rede, cumprindo os compromissos acordados e interferindo, assim, na realidade que os colocou em situação de rua.

O projeto oferece dois benefícios aos moradores em situação de rua. O primeiro é o aluguel social, no qual a administração municipal paga o aluguel de uma casa no valor de até um salário mínimo e o beneficiário tem a liberdade de escolher onde vai morar.

O segundo é a carta de crédito. Nesse caso, o beneficiário recebe um cheque no valor de até R$ 39 mil e tem a possibilidade de comprar uma casa no local que preferir, passando, anteriormente, por uma avaliação técnica de engenheiros da Prefeitura.

Os moradores que serão beneficiados com o Moradias Alternativas devem possuir mais de um ano nos abrigos da capital e passar por uma triagem envolvendo todas as secretarias, não abrindo qualquer margem para que outros moradores de rua venham a Vitória com o intuito de entrar no projeto.

Antes de conceder do benefício ser concedido, o caso é avaliado por uma comissão intersetorial de análise e acompanhamento que envolve representantes das secretarias de Cultura, Esportes, Cidadania e Direitos Humanos, Saúde, Educação, Habitação e Assistência Social.

Critérios de cadastramento:

  • Estar referenciado na Rede de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade do município de Vitória, por período de no mínimo 1(um) ano ininterrupto;
  •  Possuir renda familiar mensal de até 3 (três) salários mínimos ou per capita de ? (meio) salário mínimo;
  •  Não possuir imóvel residencial e/ou nenhum tipo de financiamento habitacional em todo o território nacional;
  • Não ter sido beneficiado anteriormente por programa semelhante ou de acesso à moradia;
  •  Ser maior de 18 (dezoito) anos ou emancipado;

Última atualização em 06/04/2015

Voltar para o topo

Escola da Vida

Espaço de atendimento às pessoas em situação de rua na capital, a Escola da Vida atua de forma articulada com os demais projetos do programa Onde Anda Você? como acolhimento, tratamento de saúde, educação básica, aluguel social, atividades esportivas e culturais. Atende cerca de 30 pessoas a cada seis meses com acompanhamento efetivo dentro do projeto e outros três meses de monitoramento, para consolidação das ações construídas.

A Escola da Vida é o espaço de retaguarda e referência para identificar, desenvolver e fortalecer as habilidades empreendedoras das pessoas em situação de risco social com idade mínima de 14 anos atendidas pela rede de serviços da Assistência Social (Serviço de Abordagem, Centro Pop, Abrigo e Casa Lar) e da Saúde (Centro de Atendimento Psicossocial de Álcool e Drogas e Consultório na Rua), prioritariamente os usuários de substâncias químicas, objetivando a (re) inserção social, comunitária e no “mundo do trabalho", tornando-os capazes de serem protagonistas de suas vidas.

O projeto contempla também a demanda espontânea, além dos usuários encaminhados pela rede da assistência e da saúde, porém com atendimento diferenciado, no qual as pessoas serão identificadas e encaminhadas para a rede de serviços para receber o atendimento adequado às suas demandas.

A idade mínima de 14 anos se justifica, primeiramente, pela permissão da inserção ao mercado de trabalho como adolescente aprendiz, por meio da Lei da Aprendizagem, como também pela questão do perfil crescente de usuários de substâncias químicas que começam na adolescência.

As ações da Escola da Vida são focadas na articulação de três eixos: Trabalho, Educação e Cultura. A ferramenta principal de intervenção é o Plano Individual de Empoderamento (PIE), que é elaborado pelo usuário com o apoio de um assessor de projetos, que tem a função de ajudá-lo a pensar um projeto pessoal na perspectiva do trabalho e as possibilidades de implantá-lo num período de seis meses, avaliando junto com a pessoa todos os caminhos que devem ser percorridos para concretizá-lo.

Na Escola da Vida são desenvolvidas diversas atividades coletivas e individuais visando fortalecer a capacidade de expressão, autoconhecimento, autoconfiança, autoestima, ampliação do capital cultural, estímulo à leitura e à escrita, criatividade, interesse por novas aprendizagens, a partir de palestras sobre empreendedorismo, oficinas de projetos de vida, de criatividade, de liderança, de leitura, de palavras, rodas de conversas, além de espaços de sarau de poesias, rodas de rimas, exposições, cineclube, cursos, entre outras.

Paralelo a essas atividades, o projeto faz a articulação com a rede de serviços da cidade, pública e privada, para encaminhamento dos usuários ao mercado de trabalho, seja como autônomos ou empregados.

A formulação do projeto Escola da Vida teve inicio, em 2013, com a constituição de um grupo de trabalho formado pelas secretarias municipais de Turismo, Trabalho e Renda (Semttre), Assistência Social (Semas), Saúde (Semus), Educação (Seme), Cidadania e Direitos Humanos (Semcid), Comunicação (Secom), Obras (Semob) e Gestão Estratégica (Seges). O projeto faz parte do Planejamento Estratégico 2013-2016, dentro da diretriz Equidade e Justiça Social. Para a coordenação técnica e administrativa do projeto foi efetivada parceria por meio de convênio com a ONG Instituto TamoJunto.

Onde fica a escola da vida

Rodovia Serafim Derenzi, nº 4455, no bairro São José, na Grande São Pedro - Ver no mapa
Telefone: 3235-7286

Última atualização em 21/12/2016

Voltar para o topo

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA
Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 1927
Bento Ferreira, Vitória, ES - CEP: 29.050-945
Telefone: (27) 3382-6000

Versão clássica