Prefeitura de Vitória

Voltar
MenuMenu

Publicações da Prefeitura

Publicações da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) são importantes para a construção da identidade e memória da cidade de Vitória. As publicações podem ser encontradas na Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim. 

Produção própria de livros contribui para valorizar cultura local

A Secretaria Municipal de Cultura (Semc) publica livros voltados à valorização da identidade cultural de Vitória. Desde 1993, foram produzidos vários títulos com tiragem média de 1.500 exemplares, que estão divididos nas coleções Escritos de Vitória, Memória Viva, Roberto Almada, Elmo Elton e José Costa ou organizados individualmente. A ação é desenvolvida pela Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim, onde a população pode encontrar os títulos.

Escritos de Vitória: aborda aspectos cotidianos do município na visão de seus cronistas, jornalistas, poetas, escritores e intelectuais.

Memória Viva: resgata aspectos da cultura popular e da história da cidade. Com texto acessível, aliado à pesquisa criteriosa e ao registro fotográfico do tema, a coleção divulga as facetas mais tradicionais de Vitória para as novas gerações.

Coleção Roberto Almada: apresenta a biografia de alguns autores capixabas e a análise crítica de suas obras.

Coleção Elmo Elton: registra a história da cidade, bairro a bairro, situando cenário, evolução e peculiaridades das comunidades.

Coleção José Costa: edita textos inéditos e reedita publicações que têm como referência a memória e a história capixabas.

Outros títulos: tratam de poesia ou abordam assuntos, como a organização social, política e econômica de Vitória, o processo de urbanização, o Parque Moscoso. A coleção agrupa os livros publicados pela Semc que não fazem parte de coleção específica.

Última atualização em 21/07/2014

Voltar para o topo

Escritos de Vitória reúne textos sobre teatro, cinema e música

Confira as produções da Coleção Escritos de Vitória, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

  • Crônicas
  • Contos
  • Fafi
  • Logradouros
  • Porto
  • Parque Moscoso
  • Cinemas
  • Bares, Botequins
  • Igrejas
  • Escolas
  • Mercados e Feiras
  • Paisagem
  • Esportes
  • Vitória do Futuro
  • Personalidades de Vitória
  • Movimentos Sociais
  • Imprensa
  • Cidade Presépio
  • Vitória de todos os ritmos
  • Identidade capixaba
  • Teatro
  • Cine Vídeo
  • Olhar forasteiro
  • Rádio
  • Cidade Sol
  • Cidade Ilha
  • Pontes
  • Vitória: 461 anos

Última atualização em 09/10/2014

Voltar para o topo

Memória Viva resgata cultura popular e história da cidade

Confira as produções da Coleção Memória Viva, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

As Paneleiras de Goiabeiras

Analisa e descreve a organização social das paneleiras de Goiabeiras e a fabricação das famosas panelas de barro de Vitória, nas quais são feitos e servidos os dois principais pratos da culinária capixaba: a moqueca e a torta capixaba. Com fotos de Edson Chagas, a publicação tem pesquisa e texto feitos por Celso Perota, Jaime Doxsey e Roberto Beling.

Catraieiros da Baía de Vitória

Registra a atividade dos catraieiros, trabalhadores que atuam no transporte entre a capital e a cidade de Vila Velha, fazendo, em pequenos botes, a travessia na Baía de Vitória.

A pesquisa e o texto são de Luiz Guilherme Santos Neves e Renato Pacheco; as fotos, de Humberto Capai. É o primeiro livro da coleção.

Desfiadeiras de Siri da Ilha das Caieiras

Descreve a vida, as origens e a atividade profissional das desfiadeiras de siri. Na Ilha das Caieiras, uma centena de mulheres se dedica à atividade, que envolve ainda pescadores e donos de restaurantes e peixarias.

Luiz Guilherme Santos Neves e Renato Pacheco trabalharam na pesquisa e no texto, ficando a produção das fotos a cargo de Alexandre Krusemark.

Festa de São Pedro na Praia do Suá

Resgata a memória da Festa de São Pedro na Praia do Suá, bairro da cidade de Vitória que agrupa um grande número de pescadores entre seus habitantes. A Festa de São Pedro, com sua procissão marítima, é uma das mais antigas da cidade de Vitória.

O texto e a pesquisa são de Luiz Guilherme Santos e Renato Pacheco; a entrevista, de Léa Brígida de Alvarenga Rosa; e as fotos, de Edson Chagas e Victor Nogueira.

Os Bondes de Vitória

Trata de um elemento constante na memória dos moradores de Vitória. O texto é de Luiz Guilherme Santos Neves e a pesquisa, de Renato Pacheco.

Para ilustrar a produção, os dois professores buscaram fotos que fazem parte do arquivo de Nilton Pimenta, fotógrafo capixaba. É também em sua memória que se baseia o livro.

Os Lambe-lambes do Parque Moscoso

Narra a história de quem, há décadas, fotografa o cotidiano do Parque Moscoso, do qual fazem parte namorados e trabalhadores. O texto é de Adilson Vilaça, e as fotos de Leonardo Bicalho.

Procissão de São Benedito em Vitória

Fala sobre a devoção a São Benedito na capital. O ardor dos devotos já provocou até um cisma entre os fiéis, divididos em peroás e caramurus, no início do século XIX. O livro retrata a romaria vespertina pelas ruas ao centro da cidade, em louvor a São Benedito, cuja devoção no Brasil data do século XVIII.

Luiz Guilherme Santos Neves se dedicou à pesquisa e ao texto; Léa Brígida de Alvarenga Rosa, à pesquisa oral. Complementam a publicação o trabalho fotográfico de Alexandre Krusemark.

Última atualização em 21/07/2014

Voltar para o topo

Coleção Roberto Almada traz biografia de autores capixabas

Confira as produções da Coleção Roberto Almada, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

A Árvore das Palavras - Adilson Vilaça - Vida e Obra

Dedica-se à obra do jornalista Adilson Vilaça. Na antologia A Árvore das Palavras, o professor Francisco Aurélio faz a biografia de Adilson e a análise crítica de sua obra.

Dédalo no Centro do Labirinto - Miguel Marvilla - Vida e Obra

Evidencia o poeta e contista Miguel Marvilla, capixaba de Marataízes e membro da Academia Espírito-Santense de Letras, com análise crítica da obra e biografia do autor feitas por Joana D'Arc Baptista Herkenhoff. O estudo de Joana D'Arc demonstra também que o poeta começou com o mimeógrafo, combinando a arte da escrita com o fôlego de editor. A edição do livro é feita por Adilson Vilaça.

De Folhas Versadas - Roberto Almada - Vida e Obra

Inaugura a coleção contando a história do escritor, poeta e crítico literário Roberto Leite Ribeiro Almada, nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais. A biografia de Roberto e o estudo crítico de sua obra são de Deny Gomes. A organização é de Adilson Vilaça.

Inquilino da Rua da Imaginação - Fernando Tatagiba - Vida e Obra

Fábio Memelli fez o estudo crítico da obra e a biografia do autor.

Júbilo e Glória - Amylton de Almeida - Vida e Obra

Traz a biografia de Amylton de Almeida escrita pela professora e poetisa Deny Gomes. Amylton, um dos mais importantes intelectuais capixabas, dedicou-se à literatura, à dramaturgia, ao cinema e ao jornalismo. O trabalho é organizado por Adilson Vilaça.

Múltiplas Escrituras - Reinaldo Santos Neves - Vida e Obra

Possui romances e poesias. O estudo crítico da obra e a biografia de Reinaldo são de autoria de Djalma Vazzoler e Mônica A. Helcane Carvalho de Sant'Anna.

Metáforas e Hieróglifos - Bernadete Lyra - Vida e Obra

Registra importantes momentos da vida literária de Bernadete Lyra. O autor, Arthur Bogéa, começa pela biografia e cronologia da escritora e, em seguida, faz uma análise de sua obras e de seu perfil, finalizando o livro com a seleção de alguns textos. São de Bernadete As Contas no Canto, O Jardim das Delícias, Corações de Cristal ou A Vida Secreta das Enceradeiras, Aqui Começa a Dança, A Panelinha de Breu, Memória das Ruínas de Creta e Tormentos Ocasionais.

Navegante do Imaginário - Luiz Guilherme Santos Neves - Vida e Obra

Analisa obras de destaque publicadas nas duas últimas décadas pelo professor Luiz Guilherme Santos Neves, entre elas, As Chamas na Missa, Queimados, A Nau Decapitada, Torre do Delírio, Crônicas da Insólita Fortuna, Escrivão da Frota e O Templo e a Forca. O editor é Adilson Vilaça, com estudo crítico da obra e biografia do autor elaborados por Maria Thereza Coelho Ceotto.

Nomes pra Viagem - Renato Pacheco - Vida e Obra

Com análise crítica da obra e biografia do autor feitas por Andréia Delmaschio.

Porque e por quê: Blank, Sérgio Luiz - Sérgio Blank - Vida e Obra

A análise crítica da obra e a biografia do autor foram produzidas por Reinaldo Santos Neves.

Negros, índios e mestiços: estudos etnográficos - Afonso Cláudio

A obra se destaca por ter servido como base de pesquisa para "Casagrande e Senzala", de Gilberto Freyre. Os estudos tratam a questão das etnias no século XIX. 

Última atualização em 11/05/2015

Voltar para o topo

Coleção Elmo Elton: relatos sobre a história de bairros da cidade

Confira as produções da Coleção Elmo Elton, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

Bairro Santo Antônio

Inaugura a coleção e registra a história de Santo Antônio, o primeiro bairro de Vitória. A organização é de Adilson Vilaça, com texto de Adriana Bravin e fotos de Sérgio Cardoso.

Centro de Vitória

Dedica-se ao Centro da capital, berço da história capixaba. As realizações dos antepassados da cidade e a consciência das gerações que nela habitam têm no texto o ponto de confluência. O livro foi organizado por Adilson Vilaça, com texto de Cristina Dadalto e fotos de Tadeu Bianconi.

Fradinhos

Recupera as evidências da época em que Fradinhos era uma aldeia indígena. No período pós-cabralino, o bairro atenderia por muito tempo pela denominação geral de Jucutuquara, em decorrência da Pedra dos Dois Olhos (Jucú-ita-quera na língua tupi significa "pássaro do buraco da pedra" e Yticú-tuquara quer dizer "conchas suspensas"). Com a presença dos jesuítas, o bairro é batizado com o nome Fradinhos - um menino que morava naquele recanto pagaria promessa usando hábito de jesuítas.

A pesquisa é apoiada em obras de Saint-Hilaire, Adelpho Poli Monjardim e Luiz Serafim Derenzi, dialogando também com o arqueólogo Celso Perota, responsável por estudos atualizados da presença indígena no Espírito Santo.

A fotografia de Bruno Zorzal revela uma comunidade de artistas, ecologistas, apaixonados e inveterados devotos de uma promessa que virou bairro. O livro é escrito pela professora Anna Saiter, moradora do bairro, e organizado por Adilson Vilaça.

Goiabeiras

Aborda as tradições folclóricas do bairro Goiabeiras e o ofício das paneleiras, que é passado de mãe para filha e bastante característico do local. O livro é organizado por Adilson Vilaça. O texto de Nilo de Mingo Junior é completado com o trabalho fotográfico de David Protti.

Jardim da Penha

Conta a história da primeira igreja, os desafios vividos pelos moradores e aborda outros assuntos ligados ao local. De seus 1.139.934 metros quadrados, as pessoas viam o Convento da Penha, em Vila Velha. Daí surgiu o nome do bairro.

Nas fotos de Sandra Martins, pode-se conhecer um pouco dos personagens citados na publicação, como as irmãs Maria Aristotelina da Silva Santos Ferreira Bastos e Maria Sylvia Klackzo, herdeiras da fazenda Mata da Praia, onde atualmente estão os bairros Jardim da Penha, Morada de Camburi e Mata da Praia. O texto é de Andréia Curry e a organização, de Adilson Vilaça.

Jucutuquara

Retrata um dos bairros mais antigos de Vitória, que abriga o Museu Solar Monjardim, o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) e alguns bares mais tradicionais da Ilha. Carinhosamente, os moradores mais antigos se tratam como integrantes da Nação de Jucutuquara, tamanha a identificação com o local.

Berço da Escola de Samba Unidos de Jucutuquara e do Rio Branco Atlético Clube, o bairro tem sua história contada pela jornalista Sandra Daniel e pela fotógrafa Zanete Dadalto, que resgataram, por exemplo, a lenda do rochedo Jucutucoara (hoje conhecido como Pedra dos Dois Olhos) e da família Monjardim. A organização é de Adilson Vilaça.

Praia do Canto

Documenta a história da Praia do Canto, bairro tido por muitos como um dos mais aprazíveis da Ilha de Vitória. O texto da jornalista Sandra Aguiar passeia desde o projeto do engenheiro Saturnino de Brito, criador do Novo Arrabalde, às ruas de hoje, que conservam o traçado proposto, mas já apresentam as transformações decorrentes da ruidosa densidade populacional: tráfego intenso, verticalização marcante e forte tom comercial, em substituição ao antigo sonho de região apenas residencial.

A publicação é ilustrada pelas fotos de Cláudia Pedrinha e organizada por Adilson Vilaça.

Praia do Suá

Narra fatos pitorescos do bairro, a exemplo da malhação do Judas e da vigília de São Pedro, e como foram se acomodando o antigo e o novo na paisagem da Praia do Suá. No bairro, que já foi eminentemente de pescador, tem origem o saboroso prato garoupa salgada com banana da terra, nascido no restaurante São Pedro. No mesmo restaurante, também foi inventado o anteparo de ferro da panela de barro, naquela época, com apenas três pontos de solda. A descoberta barateou a produção dos aparadores que dão suporte à panela capixaba.

O livro é organizado por Adilson Vilaça, com texto de José Carlos Mattedi e fotos de Raquel Lucena.

São Pedro

Mostra as transformações vividas pelo bairro surgido no final da década de 70. Nascido a partir da ocupação do lixão da cidade e da invasão de áreas de manguezal, São Pedro ficou conhecido pelo público em geral por meio do documentário "Lugar de Toda Pobreza", de Amylton de Almeida (1946-1995).

A partir dos anos 90, intensificaram-se os investimentos em urbanização, desenvolvimento socioeconômico, recuperação e preservação ambiental. Foi alvo de programa de desenvolvimento urbano integrado, implantado pela Prefeitura, e a infraestrutura instalada pelo Poder Público juntou-se à força dos moradores.

A edição é de Adilson Vilaça, com texto de Tavares Dias e fotos de Apoema Medeiros.

Última atualização em 11/05/2015

Voltar para o topo

Coleção José Costa: texto inédito e reedições sobre a história capixaba

Confira as produções da Coleção José Costa, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

A Ilha de Vitória que Conheci e com que Convivi

Retorna ao passado da Ilha de Vitória. O autor Délio Grijó de Azevedo parte dos anos 30 e menciona os tipos folclóricos, os ditos populares e alguns costumes antigos, como os passeios de bonde, as noites de circo e de boemia e o namoro na Praça Oito.

A Mulher na História do Espírito Santo

Relata a luta das mulheres pela emancipação e afirmação profissional. O livro foi escrito no final da década de 50, tendo sofrido acréscimos da autora Maria Stella Novas, 20 anos depois, quando ela vendeu ao Instituo Jones dos Santos Neves os direitos autorais de alguns de seus textos inéditos para publicação. Ela foi uma precursora feminina no Espírito Santo em várias frentes e uma delas é a da pesquisa humana e científica.

Escola, Escola de Arte

Recupera a história do prédio da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Fafi). O texto de Adilson Vilaça é apoiado pela pesquisa de Eliomar Mazzoco.

Insurreição do Queimado

Comemorou os 150 anos da rebelião de escravos deflagrada na freguesia de São José do Queimado, então município de Vitória, que hoje pertence ao município da Serra. A eclosão da revolta, datada de 19 de março de 1849, teve como estopim a construção da igreja da freguesia, que exigiu "trabalho extra" dos escravos.

A edição do livro teve apoio cultural do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, sendo realizada por meio da Editora da Universidade Federal do Espírito Santo (Edufes), da Secretaria Municipal de Cultura e da antiga Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública. O trabalho é uma reedição do livro "Insurreição do Queimado", publicado em 1979, pela Fundação Ceciliano Abel de Almeida.

Logradouros Antigos de Vitória

É a reedição do mais importante livro do memorialista e cronista Elmo Elton. A primeira edição de Logradouros Antigos de Vitória é de 1986, inaugurando a coleção Temas Capixabas, do Instituto Jones dos Santos Neves.

Os Dias Antigos

Retrata, embalado na história testemunhal, o cotidiano de Vitória na Era Vargas (1930-1945) e é o primeiro volume da Coleção José Costa. Não é um livro de memórias porque a análise é feita do ponto de vista histórico. O que se pode ler são capítulos dedicados à vida cultural, religiosa, estudantil e econômica. O autor é Renato Pacheco.

Romanceiro Capixaba

É editado por meio de uma associação entre a Fundação Nacional de Arte e a Fundação Ceciliano Abel de Almeida firmada em 1983. Bem recebido, o livro de Guilherme Santos Neves logo se esgotaria.

Transcorridos quase 20 anos daquela edição, a Secretaria de Cultura o inseriu na coleção José Costa. Foi preservada na íntegra a apresentação assinada por Bráulio do Nascimento, que testemunha a importância da obra do autor.

Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce

Relata a viagem de Auguste de Saint-Hilaire, permitindo o conhecimento sobre o Espírito Santo dos primeiros 25 anos do século XIX. Saint-Hilaire aponta como foi domada a terra capixaba, registra com censura a expulsão dos indígenas das vastas terras que antes possuíam sem concorrência e ainda expressa indignação contra o uso e abuso da mão de obra nativa, praticamente reduzida à escravidão.

Viagem à Província do Espírito Santo

Contribui para a recomposição do quadro sociocultural do Espírito Santo no Segundo Reinado. O livro de Auguste-François Biard foi traduzido por José Augusto Carvalho e conta com desenhos retratando paisagens e situações vistas e vividas pelo autor.

O poeta da cidade - Elmo Elton: vida e obra

Coletânea de textos escritos por Elmo Elton, conhecido como "o poeta da cidade". Declarou sua paixão por Vitória por meio de diversos escritos, tanto em prosa quanto em verso. Em sua primeira publicação, "Cantares de um terno filho do mar", de 1944, o mar sempre foi uma inspiração para sua obra, onde ele captou com sensibilidade poética, a alma da ilha de Vitória.

Última atualização em 11/05/2015

Voltar para o topo

Coleção Outros Títulos: obras sobre a organização sociopolítica

Confira as produções da Coleção Outros Títulos, editada pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).

A Múltipla Presença

Analisa as diversas facetas do jornalista Amylton de Almeida, falecido em 1995. Acompanha o livro uma seleção das melhores críticas de cinema publicadas por Amylton no jornal A Gazeta. Escritor, dramaturgo e jornalista, além de diretor de televisão e cinema, Amylton venceu duas vezes o Festival de Verão da Rede Globo, mas se tornou conhecido nacionalmente pelo filme "O Amor está no Ar ", dirigido por ele e que deu a Eliane Giardini o Kikito (estatueta) de melhor atriz no Festival de Gramado. A publicação é organizada por Deny Gomes e agrupa textos de diversos autores.

Biografia de uma Ilha

É uma ampla pesquisa acerca da cidade de Vitória, de sua organização social, política e econômica. Publicado originalmente em 1965, o livro de Luiz Serafim Derenzi traz também um apanhado das ações de cada governo da cidade desde o donatário Vasco Fernandes Coutinho até o início dos anos 40. Acompanham a publicação 41 fotografias de Vitória tiradas entre 1925 e 1937.

Contraponto, Reta, Plano

É de autoria de Erly Vieira Jr. e foi lançado com a captação de recursos da Lei Rubem Braga. Conforme texto de Deneval Siqueira de Azevedo Filho, doutor em Teoria Literária pela Unicamp, no livro, Erly toma o próprio "contraponto como fio condutor de sua poética simbólico-gótica (hélice do infinito, a vida é curva, segredo tatuado).

Mesmo quando o lirismo se põe em Reta, Erly tece contornos: tece luvas, pegadas e adegas. Por isso, seus versos têm um tom gótico forte e irônico, sugerindo sempre que o poder das palavras destrói o vazio da própria reclusão".

Era uma Vez... Hermógenes Lima Fonseca

É uma homenagem ao folclorista Hermógenes Lima Fonseca. Vários profissionais contam passagens da vida de Hermógenes e suas histórias, entre eles, Renato Pacheco, Adilson Vilaça, Luiz Guilherme Santos Neves, Rogério Medeiros, Bernadete Lyra, Kátia Bóbbio, Tertolino Balbino, Orlando Bomfim Netto, Ilda Castro e Jairo de Britto.

Poiesis

Reúne 15 poemas, de diferentes autores, resultado de duas oficinas de poesia orientadas pelo poeta Valdo Motta, na Escola de Arte Fafi, em 1993 e 1995. Valdo é autor de Bundo, publicado pela Editora da Unicamp, e foi ele o organizador de Poiesis.

O Novo Arrabalde

Busca compreender o processo de urbanização de Vitória partindo da análise da implementação do primeiro plano urbanístico da cidade, traçado no final do século passado. O livro é uma dissertação de mestrado defendida com sucesso por Carlos Teixeira de Campos Júnior na Universidade de São Paulo (USP).

O plano do Novo Arrabalde, traçado por Saturnino de Brito, transforma-se na região mais nobre de Vitória décadas depois. Acompanham o livro fotos e mapas da época.

Parque Moscoso - Documento de Vida. 2ª ed. Coleção Cadernos de História nº 45

Concede ao leitor, na primeira parte do livro, uma visão panorâmica de Vitória no século XIX. A segunda aborda especificamente o Parque Moscoso desde o início de sua construção (1908), passando pelo ano de sua inauguração (1912) e abrangendo as mudanças feitas no logradouro até 2001, em sua reinauguração.

Com texto de Maria Izabel Perini Muniz, a publicação foi lançada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES).

Última atualização em 21/07/2014

Voltar para o topo

1ª Revista da Jornada Científica de Assistência Social de Vitória

Profissionais da assistência social e pesquisadores da área participaram nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2011 da I Jornada Científica de Assistência Social. Ao todo, foram selecionados 42 trabalhos produzidos por 67 servidores da Prefeitura e 34 pesquisadores de instituições de ensino.

Os trabalhos apresentados, oralmente ou por meio de banner, são correspondentes aos seguintes eixos temáticos: Atenção Integral à Família; Convivência e Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários; Violação de Direitos e sua Superação; e Gestão e Controle Social. Todos os artigos foram reunidos na revista eletrônica da I Jornada Científica da Assistência Social.

Última atualização em 18/07/2014

Voltar para o topo

2ª Revista da Jornada Científica de Assistência Social de Vitória

Com a proposta de promover a troca de conhecimento e de práticas de trabalho entre profissionais e pesquisadores da Assistência Social, foi realizada nos dias 31 de outubro e 01 de novembro de 2012 a II Jornada Científica de Assistência Social. Ao todo, foram selecionados 42 trabalhos, apresentados oralmente e em forma de painéis.

A II Jornada teve os trabalhos desenvolvidos nas seguintes temáticas: Atenção Integral à Família; Convivência e Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários; Violação de Direitos e Estratégias para sua Superação e Gestão e Controle Social.

Acesse a Revista

Última atualização em 18/07/2014

Voltar para o topo

Política de Assistência Social no município de Vitória - ES

O livro “Política de Assistência Social no município de Vitória (ES) Olhares sobre a experiência – 2005 2012” é um resgate da história da implantação do Sistema Único da Assistência Social em Vitória, que é hoje é referência no cenário nacional e reúne uma coletânea de textos sobre experiências e pesquisas desenvolvidas nas ações da assistência social e propõe a produção de conhecimentos nesta área.

São destacadas as ações desenvolvidas durante a gestão, tais como a implantação da rede de 12 Cras, os Centros de Convivência da Terceira Idade, fortalecimento da rede de Cajuns e a implantação do Centro de Referência da Juventude.

Política de Assistência Social no município de Vitória (ES) Olhares sobre a experiência – 2005 2012

Última atualização em 15/12/2014

Voltar para o topo

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA
Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 1927
Bento Ferreira, Vitória, ES - CEP: 29.050-945
Telefone: (27) 3382-6000

Versão clássica